Deputados propõem criação de CPI do Aborto

Comunicado urgente sobre o Estatuto do Nascituro
30 de abril de 2013
XV Semana da Família no C. E. Alfredo Júlio Fernandes
2 de maio de 2013

Aborto não

A Câmara dos Deputados pode instalar, em breve, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a existência de interesses e financiamentos internacionais para promover a legalização do aborto no Brasil. A prática é considerada criminosa, a não ser em situações excepcionais e previstas em lei, como estupro, risco de morte da mãe ou do feto, ou no caso de o feto não ter cérebro.

No requerimento que pede a criação da CPI, os deputados federais João Campos (Goiás) e Salvador Zimbaldi (São Paulo) afirmam que a rejeição para legalizar o aborto é cada vez maior. Os parlamentares destacam dados que revelam que o número de abortos tem diminuído 12% ao ano, assim como os índices de mortalidade materna.

Os deputados argumentam, ainda, que parece haver interesses escusos e pressões para a legalização da prática no País. João Campos cita uma das entidades que pode estar pressionando o Brasil a legalizar o aborto. “A CPI é exatamente para responder essas perguntas, mas, em princípio, a Fundação Ford é uma delas. Ela faz isso mundialmente, tem relações com segmentos aqui no Brasil que defendem a legalização do aborto – apenas para citar um exemplo, mas eu não posso me aprofundar, porque a CPI tem esse propósito.”

O deputado acrescentou que algumas ações dentro do Ministério da Saúde indicam que o próprio Governo brasileiro estaria financiando a ida de servidores do ministério ao Uruguai e a outras localidades para aprender práticas e conhecer programas que implicam a indução da sociedade à prática do aborto.

Estatuto do Nascituro

Integrante da Frente Parlamentar Evangélica, João Campos cita outras medidas que estão sendo tomadas pela frente para impedir a legalização do aborto. “Estamos propondo, através de um trabalho mais sistemático, aprovar o Estatuto do Nascituro, que está na Comissão de Finanças e Tributação, e um trabalho de articulação, também, dentro do Senado, para fazer frente à reforma do Código Penal que traz hipóteses de ampliação da legalização do aborto no Brasil.”

Como existem 19 CPIs aguardando para serem instaladas na Câmara e elas têm que ser criadas em ordem cronológica, o deputado João Campos informou que vai apresentar projeto de resolução para que a CPI do aborto passe na frente das outras.

 

Adaptado de notícia da Agência Câmara

Os comentários estão encerrados.