FEB completa 134 anos de fundação

54 Confraternização de Mocidade e Madureza Espíritas do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba
21 de outubro de 2017
WRF transmite 3º CEU
27 de janeiro de 2018

A Federação Espírita Brasileira completa 134 anos de fundação nesta terça-feira (2 de janeiro). Em 1884 na residência Augusto Elias da Silva, na Rua da Carioca no 120 (então Rua de São Francisco de Assis) era fundada a FEB com a missão de oferecer a Doutrina Espírita ao ser humano por meio do seu estudo, prática e difusão, pela união solidária dos espíritas e unificação das instituições espíritas, contribuindo para a formação do homem de bem.

Entre as realizações mais importantes da instituição, destaca-se a formalização do Pacto Áureo no dia 5 de outubro de 1949.  O Pacto trata de uma síntese das diretrizes à unificação do Movimento Espírita Brasileiro.  Logo no início do ano seguinte à assinatura do Pacto, foi instituído o Conselho Federativo Nacional da FEB que vem funcionando ininterruptamente desde então, prestando inestimável serviço à causa espírita, dirimindo dúvidas, fortalecendo os laços fraternos, orientando o Movimento, recomendando normas e diretrizes, aproximando instituições e contornando as incompreensões e imperfeições inevitáveis no mundo imperfeito em que vivemos.

Histórico

Após sua fundação na Rua da Carioca, nº 120 foi instalada na Rua da Alfândega, 153, em 1884. Passou por vários endereços até que Adolfo Bezerra de Menezes, eleito em 3 de agosto de 1895, assume a presidência e começa o trabalho de reconstrução, imprimindo à Instituição a orientação doutrinário-evangélica na qual ela se mantém firmemente até nossos dias. Equilibrou a situação financeira, para atender aos encargos e serviços e reorganizou todos os trabalhos da Casa.

Os primórdios da FEB vieram com o “Grupo Confúcio”, fundado em 1873, quando delineava-se a futura Casa de Ismael. A esse Grupo pertenceram, entre outros, o Dr. Siqueira Dias, Dr. Bittencourt Sampaio, Dr. Antonio da Silva Neto, Dr. Joaquim Carlos Travassos, Prof. Casimir Lieutaud. Ao “Grupo Confúcio” seguiu-se a Sociedade de Estudos Espíritas “Deus, Cristo e Caridade”, fundada em março de 1876, com programação evangélica estampada em seu próprio nome e cumprida até 1879.

Aos poucos os grupos afinados com a filiação ideológica Espiritismo-Evangelho foram-se reunindo em torno da Federação Espírita Brasileira, consolidando-se com Bezerra de Menezes, de 1895 em diante, toda a diretriz sintetizada na verdade “Deus, Cristo e Caridade”.

A primeira Diretoria da FEB eleita em 2 de janeiro de 1884, ficou assim constituída: Presidente, Major Francisco Raimundo Ewerton Quadros; Vice-Presidente, Manoel Fernandes Figueira, Secretário, João Francisco da Silveira Pinto; Tesoureiro, Augusto Elias da Silva; e Arquivista, Francisco Antonio Xavier Pinheiro.

Em 1901 procedeu-se à revisão nos Estatutos destacando-se a reorganização da Assistência aos Necessitados e os dispositivos referentes à filiação das instituições espíritas de todo o Brasil, com vistas à unificação, sob a forma federativa, plenamente aprovada Definiu-se, desde então, o significado da unificação, com vistas à união solidária e fraterna, sem prejuízo da autonomia individual, administrativa e patrimonial das entidades adesas.

Na Presidência de Guillon Ribeiro, em 4 de novembro de 1939, foi instalada pequena gráfica no térreo da Avenida Passos, 30, fundos, passando a editar livros e o mensário da Casa. Foi em sua gestão que começaram a ser editados os livros de Francisco Cândido Xavier, o primeiro dos quais, Parnaso de Além-Túmulo, em 1932, causou verdadeiro impacto nos meios culturais brasileiros.

A grande demanda de livros espíritas indicava a expansão do Movimento. Guillon Ribeiro retornou à Pátria Espiritual em 1943. Foi sucedido na presidência por Antônio Wantuil de Freitas, que já vinha colaborando na administração de Guillon há cerca de 10 anos.  Wantuil de Freitas presidiu a Casa de Ismael durante 27 anos, o mais longo período presidencial em toda a vida da Instituição.

Em 1960, capital do país foi transferida do Rio de Janeiro para Brasília, e o então presidente da República, Juscelino Kubitschek, declarou a FEB como entidade de Utilidade Pública e em 3 de outubro de 1967, a instituição inaugurou a Seção Brasília, no Distrito Federal.

Uma década mais tarde, (1977), a FEB instituiu a Campanha de Evangelização da Infância e da Juventude, e publicou “Adequação dos Centros Espíritas para o Melhor Atendimento de suas Finalidades”. Essa obra foi seguida, em 1980 pela “Orientação aos Centros Espíritas”.

Em 1984 a FEB institui a campanha do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE), lançou o “Manual de Administração dos Centros Espíritas” e transferiu a sua sede para Brasília, em edifício próprio.

Em 1990 foram lançadas as campanhas “Em Defesa da Vida” e “Viver em Família”, e lançadas as obras “Comunicação Social Espírita” e “Assistência e Promoção Social Espírita”.

O ano de 1996 foi marcado pelo lançamento da página da FEB na internet, em quatro idiomas: português, inglês, francês e espanhol.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Federa%C3%A7%C3%A3o_Esp%C3%ADrita_Brasileira

http://www.febnet.org.br

Os comentários estão encerrados.